15 de dez de 2010

Beijo. Beijo que arde em total silêncio.
Astuto, sedento beijo.
Flagrante silêncio.
É nú, o suor da minha alma em tua boca
nesse momento de glória, mulher.
E até que se rasgue o véu do infinito
Na dança louca que se perde entre nós - a sós,
Serás para sempre meu último desejo.
E tua pele o meu fim.

Um comentário: